quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

O Second Life está morrendo?
Por Jean Liberato*

Bem, seria no mínimo uma irresponsabilidade enorme afirmar isso! O Second Life está longe de morrer como veremos abaixo.

Alguns "especialistas" , "doutores" e "PHDs" estão eufóricos com esta possibilidade de morte, principalmente aqueles que não conseguem vencer a barreira do pré-conceito de que o Second Life é um jogo. Na verdade é uma rede de relacionamento virtual tão forte quanto algumas mídias tradicionais.

Analisemos então o tal "joguinho" de uma forma um pouco menos pré-conceituosa e um pouco mais profissional, com base em dados oficiais fornecidos pela Linden Lab (gestora do sistema). Ao fechar o mês de novembro de 2007, o tal "joguinho" de internet, que como todos sabem nada mais é que o simulador de vida virtual totalmente interativa, alcançou marcas interessantes que passo a descrever a vocês:

• Se fosse um país ou uma nação o SL com seus 11.1 milhões de residentes (ou habitantes), seria maior que Bélgica, Portugal, República Checa, Dinamarca, Hungria ou Áustria entre outros grandes países. Em termos comparativos regionais, estamos falando que este mundaréu de gente virtual é maior que a população total da cidade de São Paulo que de acordo com o senso de 2007 possui 10.8 milhões de habitantes.

• O "joguinho" movimentou em 2007 nada menos que USD$73.598.750, em recursos internos no mercado de opções em câmbio, sem considerar aí as transações comerciais entre avatares (nada de vendas em lojas, shoppings ou negociações com terrenos, apenas consideramos dados do mercado OFICIAL de Câmbio entre L$ e USD$). Um crescimento de 412% em relação ao ano anterior, nada mal para um sistema que dizem estar fadado ao fracasso comercial.

• Os usuários Premium (contas pagas) em novembro de 2007 somam uma legião de 92.595 usuários, o que representa um crescimento de 218% em relação ao mesmo período no ano passado. Somente com estas contas pagas a Linden Lab faturou aproximadamente USD$736 mil neste mês e cerca de USD$6.7 milhões no ano de 2007 (crescimento de 319% em relação ao ano de 2006). Os acionistas da Linden Lab devem estar rindo a toa, imaginem como não será a distribuição dos dividendos no final deste ano?

Em relação à comunidade de brasileiros no mundico virtual, realmente temos que analisar o que houve. A impressão é de total falta de planejamento. Ou a Kaizen Games não vem desempenhando a contento seu papel de parceira da Linden Lab no Brasil, ou o usuário brasileiro que imerge no Second Life destoa do resto mundo e também de seus hábitos usuais na Internet (ávido consumidor de redes de relacionamento e sistemas de comunicação on-line). Acredito que o problema esteja nas ações empregadas pela Kaizen Games, que se preocupou muito mais com adquirir grandes anunciantes, do que com o seu papel de fomentar conteúdo e dar suporte ao usuário Brasileiro.

No Brasil, tivemos um pico, durante os meses de janeiro a junho; oficialmente a parceria da Kaizen com a Linden iniciou-se em março de 2007, quanto atingiu a marca de 164 mil usuários ativos no Brasil, de lá para cá muito mudou, pois novembro fechou com a mísera quantidade de pouco mais de 27 mil brasileiros ativos. Reflexo do mal atendimento ou ainda, falta de relacionamento e conteúdo dirigido a este público que passa horas em redes sociais como Orkut, MSN, Skype, MySpace e outros. Ou a Kaizen Games melhora seu atendimento, ou no Brasil realmente o Second Life não passará de um joguinho, como os seus outros produtos.

Finalizando, sobre o fato de que o Second Life seria a nova "hype" dos publicitários e marqueteiros de plantão; realmente isso nos traz uma resposta concreta, estes mesmos marqueteiros e publicitários são os verdadeiros culpados pelo sentimento milagroso de que o SL era a salvação para todos os problemas da tradicional mídia digital. Semearam idéias nada revolucionárias no ambiente virtual, apenas levaram marcas reais para dentro do metaverso, de forma irresponsável e famintos por dinheiro. Criaram os famosos "Desertos de Marcas Reais" com suas ilhas fantasmas, habitadas por avatares desnutridos de cérebro, pois, estavam lá apenas com robôs e não com sua atenção.

Com isso, por causa da voracidade e da mesquinhez criaram a febre Second Life, venderam-na a preços absurdos aos clientes de suas carteiras; como o que havia de mais novo no mundo da mídia digital, e assim, criaram lojas fantasmagóricas, ambientes abandonados, grandes locais que fariam certamente pares perfeitos àqueles sites cheios de "pop-ups" publicitários da pior qualidade (aquelas malditas janelinhas que abrem sem a nossa vontade).

E agora estas mesmas pessoas criam a sensação de que o SL morreu. Apoiados nos já tradicionais "titios da informática"; talvez para justificar os milhões de dólares adquiridos sob uma infinidade de pretextos vazios que levaram ao péssimo investimento de seus clientes.

Fica a certeza de que no metaverso proposto pela Linden Lab, assim como na vida real, não existem milagres financeiros. Quem planeja, estuda os mercados internos do sistema, entende os mecanismos de criação/produção, suporte e relacionamento, conseguirá desenvolver boas ações, sejam elas voltadas ao público real ou virtual. Porque seria no mínimo cegueira empresarial e estratégica dizer que não existe futuro ou que não se consegue realizar lucros num ambiente que possuí um PIB anual superior a 100 milhões de Dólares americanos. Eu continuo acreditando e muito no Second Life!

Feliz 2008 a todos aqueles que acreditam ou não no potencial do SL! A bolha do ufanismo estourou, mas o SL continua mais vivo do que nunca!

*Jean Liberato – Consultor Especialista em Redes Sociais
SL Guru – Consultoria Full Service em estratégias e negócios no Second Life
(11) 8400.9116/(11) 4129.2072
Publicidade:

3 comentários:

CACETA Balhaus disse...

Obrigdo Jean.
Compartilho contigo da mesma opinião.

Abraços

Mara disse...

Jean, fantastico. Você disse tudo e resumiu muito bem. Parabéns.

Anônimo disse...

Tenho que tirar o chapéu para os comentários postados pelo amigo que escreveu e compartilhou a análise de quem conhece o jogo e sabe o que ele tem a oferecer.
Parabéns Liberato.