sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Prefeitura de São Paulo usa Second Life para campanha contra o HIV

Posto de saúde virtual será inaugurado hoje, às 13h30, na Ilha Anhangabaú. Objetivo é conscientizar os jovens para a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, através do uso da camisinha.

"Use a kbça e não eskeça a camisinha! Pq a aids mata". Se você tem mais de 40 anos, talvez não tenha entendido a grafia da frase acima. Mas é justamente com a linguagem típica dos adolescentes que a Prefeitura quer falar sobre a prevenção do HIV, vírus transmissor da aids. A mudança no perfil da doença indica que essa parcela da população merece atenção diferenciada, especialmente o sexo feminino. Novos dados da capital paulista, que serão divulgados hoje, mostram que no ano passado foi registrado o dobro de meninas infectadas pelo vírus entre 13 e 19 anos, em relação aos meninos nessa mesma faixa etária.


Para conter os riscos de contágio entre os mais jovens, a nova arma municipal é usar a tecnologia. Também hoje, véspera do Dia Mundial de Combate à Aids, será inaugurado um posto de saúde totalmente diferente. O endereço é o Second Life, ambiente virtual que simula aspectos da vida real do ser humano no computador (saiba mais ao lado). “É uma estratégia para atrair os mais novos. O jovem não quer ter palestra sobre o assunto, não quer ouvir um médico careta. Eles precisam de uma política que esteja inserida em sua cultura”, afirma Cristina Abbate, coordenadora do programa municipal de Aids.

O pacote de medidas preventivas para os adolescentes é composto ainda de peças de teatro sobre o tema, do lançamento de um livro com informações e relatos de meninos e meninas que convivem com a aids, além de agentes de saúde bem diferentes dos tradicionais.

Na semana passada, o boletim divulgado pelo Ministério da Saúde já havia chamado atenção para a incidência de aids entre adolescentes. “É uma geração que nasceu depois do boom da epidemia. Eles não viram as pessoas morrendo”, aponta Antônio Carlos Egypto - coordenador do Grupo de Trabalho e Pesquisa em Orientação Sexual -, como uma justificativa para o “relaxamento” do jovem na hora de pensar em preservativo.

Os novos dados municipais confirmam um certo controle da alta infecção pelo vírus HIV. O número de novos casos notificados de aids na capital caiu 30% entre 2005 e 2006, passando de 2.236 registros para 1.720 no ano passado. O posto de saúde nesse mundo virtual será inaugurado hoje, às 13h30. O local é o Anhangabaú, que simula até os mesmos prédios da região de verdade. Nele, um agente vai trabalhar todos os dias e tirar dúvida sobre aids e DST. As coordenadas são MLBR Anhangabau 1 (25, 129, 36).

Clique aqui, para visitar o local agora mesmo.

Origem: Agência Estado.
Publicidade:

Um comentário:

luma disse...

Quando a doença surgiu e logo após as campanhas, o público realmente era outro, porque não havia estatística de contaminação de outros grupos que não fossem homossexuais e negros. Nunca é tarde para perceber que a aids afeta todas as camadas sociais e cresce entre os jovens e mulheres. A campanha da prefeitura é oportuna, mas não acho conveniente usar o miguxês. Mais uma vez os governantes subestimando a população.
Linden, adicionei seu post à blogagem coletiva.
Beijus